Angola. Um mercado em franco crescimento, repleto de oportunidades e munido de inúmeras potencialidades. Para todos? Sim, ou melhor, «apenas» para aquelas que reúnem um conjunto de características ímpares e que perpetuam a diferença, ou seja, qualidade, credibilidade, valor, eficácia entre outros. A TBWA Angola assume esse paradigma, pois é hoje um player de relevo no mercado em que actua, tendo alcançado um reconhecimento e prestígio elevados em todos os quadrantes. Odiar Peres, Director Geral da TBWA Angola, fala-nos desta evolução e muito mais... .

A TBWA Angola surge em Outubro de 2007. Qual a razão da sua criação?
A TBWA\ANGOLA nasce a partir de uma necessidade do próprio Mercado de ter uma agência que pudesse ter todos os serviços integrados mas também da necessidade do próprio grupo onde a TBWA\ANGOLA está inserida, de se expandir e ter à disposição dos seus vários clientes de mais um serviço e apoio fundamental ao funcionamento das suas empresas.

Quais são os principais serviços e produtos «made in» TBWA Angola? De que forma são os mesmos uma mais-valia para quem os procura?
Um dos pontos fortes da TBWA\ANGOLA é o de ter recorrido a recursos e talento nacional. E a aposta foi ganha. Com este talento nacional, é-nos hoje possível fazer qualquer tipo de campanha, seja above the line, below the line e com recurso a qualquer tipo de tecnologia que nos permita sempre fazer mais e melhor. Para o cliente, isto é uma enorme mais-valia, pois tem acesso a uma agência que compreende o mercado, os vários targets, com experiência e por pertencer a um grupo de várias empresas, cada uma dotada de conhecimentos técnicos, humanos e de infra-estruturas que as possibilitam a serem eficazes e com uma resposta rápida aos pedidos dos vários clientes. Por serem várias empresas, possibilita aos clientes determinarem as suas necessidades e depois ou se trabalha os vários pedidos com todas as empresas do Grupo ou com outras empresas e agências que o cliente determinar sem influenciar o trabalho final.

Assumem cada vez mais o papel de líderes do mercado no vosso sector de actuação. Neste domínio, de que forma é que têm vindo a posicionar-se no sentido de ser actualmente uma referência no mercado?
Ter um papel de destaque no mercado é apenas uma consequência do esforço e dedicação que foram feitos ao longo do tempo, não só na TBWA\ANGOLA, mas de todas as empresas do grupo. E claro, só com o apoio dos nossos clientes é que nos foi possível  investir e melhorar. Um dos nossos objectivos neste momento é o de reduzir a quantidade de produtos importados para desenvolver o nosso trabalho. Temos feito isso através de uma maior produção local uma vez que o futuro de Angola depende da auto-suficiência do país. As empresas precisam de apostar na produção local e na formação dos seus funcionários, para conseguirem dar resposta aos serviços requisitados. Muitas das matérias-primas ainda têm de ser importadas mas a sua conversão já pode ser feita localmente, como por exemplo, a impressão, t-shirts, produção de tv, entre outros.

A internacionalização assume-se como um passo natural de qualquer entidade empresarial que alcançou um estado de maturidade elevado. Neste domínio a TBWA é um colosso mundial, estando em mais de 75 países. Qual a importância de Angola na facturação do Grupo e as perspectivas de poderem estar em outros países de língua oficial portuguesa?
Tentamos obter um crescimento de receitas anual na ordem dos 25 porcento. Mas neste momento eu diria que o aspecto mais importante do grupo não é o que estamos a facturar, mas sim o que estamos a investir para garantir o nosso crescimento. Nesse aspecto, investimos mais de $6 milhões em novas máquinas e espaço de escritório no ano passado. Com o mercado a mudar e a tornar-se mais competitivo nós vemos o nosso investimento em equipamento como sendo crucial para o nosso sucesso no futuro.  Em termos de investimento em outros países, por uma questão de língua, de facilidade de trocas comerciais, de proximidade cultural, enfim, de tudo o que nos aproxima de Portugal, bem como o Brasil, Cabo Verde, ou Moçambique onde já estamos implementados, são tudo factores primordiais. Claro que em termos de negócios também é vantajoso. Por estarmos mais distantes "emocionalmente" julgo que temos vantagens em várias áreas que não estão a ser investidas em Portugal, e que pela nossa experiência num mercado emergente e em grande crescimento, conseguimos identificar essas áreas. Outra vantagem é a agilidade com que é possível mudarmos de estratégia. Em termos de empresas angolanas, estamos mais preparados para a qualquer momento mudar a estratégia para que possa funcionar, o que nas grandes empresas portuguesas é mais complicado devido ao peso que têm.  Mas o investimento em Portugal é algo que ainda estamos a fazer com vários estudos de mercado para sermos bem-sucedidos, até porque o nosso foco continua a ser Angola, onde temos uma clara vantagem competitiva.

Que diferenças detectam na forma de actuação da TBWA Angola em relação a outros países em que se encontram?
Tentamos que sejam os menores possíveis. Aliás, não existe nenhuma regra, mas existem linhas condutoras que seguimos sempre que possível. No caso de Angola, teremos apenas que as moldar para que se possam enquadrar da melhor forma possível para a nossa realidade. Sem ser isto, todo o trabalho é feito seguindo os mesmos princípios de adequação de criatividade de acordo com o cliente, o serviço e produto e num mercado como Angola, poder auxiliar o cliente em ter toda esta comunicação onde realmente importa e onde ele vai ter impacto. Só o sucesso do cliente é que realmente nos interessa, pois só desta forma é que é possível continuar a crescer e a melhorar.

Quais são as principais lacunas que identifica neste mercado e se ao fim de quase quatro de actividade se o momento da TBWA Angola excede as vossas expectativas?
Lacunas há sempre em todos os mercados e o nosso não é diferente. A vantagem é que em Angola, todos são criativos para ultrapassar as dificuldades. Claro que não é de um dia para o outro e leva o seu tempo, mas todos sabemos que isso é necessário a fim de melhorar e termos aqui empresas sérias e determinadas em ajudar a melhorar o País. Quanto à TBWA\ANGOLA, sempre tivemos grandes expectativas, bem como para qualquer das empresas do Grupo Special Edition onde temos a Big Media, aluguer de outdoors, Digital Print, impressão de lona, vinil, tshirts, Imacop, caixas de luz, OnMedia, central de compra de meios de comunicação, Keyresearch, de pesquisa de mercado, Keypromotion de promoção e activação no ponto de venda, Uanda, empresa de relações públicas, bem como várias outras empresas, também elas ligadas à comunicação.

Da sua experiência, que características são necessárias reunir para apostar num mercado como Angola? A Qualidade dos produtos e a Inovação dos mesmos são dois vectores fundamentais para singrar em território angolano?
Quem decida investir em Angola tem de o fazer com os dois pés. Ou se investe ou nem vale a pena vir para Angola. Já vimos acontecer por várias vezes empresas a entrarem aqui para ver o que dá e depois ficam receosos por investir mais. Nessa perspectiva, nunca vai funcionar. As empresas que pensam que podem vir para Angola apenas para fornecer know-how e não investem no país não vão ter sucesso. Esses tempos já lá vão. Hoje em dia, qualidade e inovação são fundamentais em todos e quaisquer produtos ou serviços.

Crê que escasseiam apoios aos empresários nacionais que pretendem enveredar pela internacionalização? Que instrumentos deveriam ser colocados à disposição das empresas de génese lusa?
A internacionalização é possível e uma realidade à já algum tempo, quando vemos empresas angolanas a investir e já implementadas em vários mercados, como Europa ou América do Norte. Julgo que não é necessário nenhum instrumento especial. O que é necessário é visão, muito trabalho de análise e pesquisa de mercado e claro, determinação para realizar todos os esforços necessários para tornar da internacionalização uma realidade. Mas deverá ser uma internacionalização com um propósito e não apenas para dizer que temos uma rede de empresas. Tal como um investidor estrangeiro quando vem para Angola precisa de vir e chegar com os dois pés bem assentes no chão, o mesmo é necessário ser feito por nós.

Quais são as principais prioridades da TBWA Angola de futuro?
Continuar com o investimento na formação de todos os colaboradores, melhorar em termos técnicos e dar um melhor serviço a todos os seus clientes. E claro, pretendemos com isto ajudar o grupo Special Edition onde estamos inseridos, também a melhorar e assim ajudar as várias empresas.

 

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Add comment


Security code
Refresh

Edições Impressas 

Temas de Capa

izmir escort bayan mersin escort bayan

Free Porn videos

Thousands of free porn videos are available to stream in HD at free porn!